Estudo nº 09 – Eventos finais(I Tess. 5:1-11) Semana de 25 de agosto a 1º de setembro

Lições da Escola Sabatina Mundial – Estudos do Terceiro Trimestre de 2012

Tema geral do trimestre: Epístolas aos Tessalonicenses

Estudo nº 09 –  Eventos finais(I Tess. 5:1-11)

Semana de   25 de agosto a 1º de setembro

Comentário auxiliar elaborado por Sikberto Renaldo Marks, professor titular no curso de Administração de Empresas da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ (Ijuí – RS)

Este comentário é meramente complementar ao estudo da lição original

www.cristovoltara.com.br marks@unijui.edu.br – Fone/fax: (55) 3332.4868

Ijuí – Rio Grande do Sul, Brasil

 

Verso para memorizar:Nós, porém, que somos do dia, sejamos sóbrios, revestindo-nos da couraça da fé e do amor e tomando como capacete a esperança da salvação” (I Tes. 5:8).

 

Introdução de sábado à tarde

Tessalonicenses 5:1 a 11 é um trecho profético poderoso para todos os tempos, essencialmente para os nossos dias. Ele apresenta, no verso 3, um dos sinais mais notórios de que a vinda de CRISTO está próxima: “quando andarem dizendo: Paz e segurança, eis que lhes sobrevirá repentina destruição.” É o que hoje estamos ouvindo. Esse trecho trata dos ímpios, pois, se fosse escrito direto para os que se preparam para a segunda vinda, em lugar de “repentina destruição” Paulo escreveria algo como “eis que Ele logo vem.” Estamos, portanto, num tempo de urgência, de preparo para a segunda vinda.

Quando viajo, minha esposa é que prepara a mala. Faz isso com muito carinho. Para ela parece ser um privilégio. Geralmente prepara a mala no dia anterior da viagem, para não esquecer nada. Só descubro o que ela colocou ali quando abro no destino para onde viajei. Está tudo super arrumado, e por mais que me esforce, na volta não fica tão bem arrumado. Mas serve de ilustração. Para as viagens sempre sabemos o dia e a hora, mas para a segunda vinda não sabemos. Se não soubesse o momento exato para as viagens, certamente deveria ter a mala pronta o tempo todo. Pois, por exemplo, poderia vir um telefonema dizendo que em meia hora alguém passaria em casa para determinada viagem. Sendo assim, tudo deveria estar pronto o tempo todo.

Nós, que não sabemos o dia e a hora da vinda do Salvador, devemos estar preparados o tempo todo. Podemos ser atingidos por uma bala perdida, ou sofrer algum mal súbito, e sem ter tempo nem de pensar, morrer num instante. Sem tempo para fazer preparos de última hora, devemos estar sempre preparados. É certo, por exemplo, que JESUS não volta nesse ano de 2012, pois nem ainda saiu o decreto dominical, e depois dele ainda tem um tempo de pregação do Alto Clamor e depois as pragas, que talvez durem um ano. Sendo assim, o senso de urgência parece desvanecer, e vai-se deixando o preparo para depois. Mas a nossa vida é tão frágil que podemos ser surpreendidos por algum fato, e perder tudo. Portanto, devemos viver como se a volta de JESUS ainda demorasse, mas também como se viéssemos a perder a vida de um momento para outro. Se a volta de JESUS ainda pode demorar um pouco mais que um ano, ou sabe-se lá quanto tempo, o que pode acontecer a qualquer momento é a perda da nossa vida.

A rigor, uma coisa é certa, pelos sinais sabemos que a volta de JESUS está próxima. Mas ainda falta vir o decreto dominical, a perseguição, o forte derramamento da chuva serôdia, o alto clamor, as pragas, e nelas, na sétima praga, o anúncio do dia e da hora da segunda vinda, e então vem o fim.

Atenção: para nós adventistas, a palavra fim não tem o melhor significado e nem é o nosso foco. Na verdade, nós não desejamos tanto assim o fim, desejamos o início de um novo sistema de vida, que é perfeito e eterno. Não é no fim do mundo que enfatizamos, e sim, na segunda vinda e o que ela representa, pois nós somos “adventistas” não “finalistas”.

 

  1. 1.      Primeiro dia: Os dois lados do juízo

A justiça na Terra geralmente tem uma conotação de vingança, ou seja, de punição. Mas nem sempre é assim. Há prisões em que os apenados podem ter uma nova oportunidade de, trabalhando, aprender uma profissão. Quando saem, já estão prontos para uma atividade econômica lícita. Mas em geral, no Brasil, as prisões são locais de onde saem piores do que entraram. A sociedade geralmente apenas quer se ver livre dos maus elementos, mas não se preocupa muito em restabelecê-los.

Isso nos ensina alguma coisa importante. Na igreja, há muitos membros que estão de saída, outros já saíram. Eles precisam ser recuperados, pelo menos deve haver esforço com essa finalidade. Já foram pessoas separadas do mundo, e estão retornando para a perdição.

Na justiça de DEUS há sempre os dois lados: o da punição, e em contrapartida, o da oportunidade. Para DEUS, só punição não é justiça perfeita, pois no reino do amor, esse conceito não pode ser aceito sem uma nova oportunidade. Quem ama sempre quer resolver as coisas pela melhor maneira, e certamente simplesmente punir não é a melhor forma. Por outro lado, simplesmente dar nova oportunidade, sem punição, também não é uma excelência em demonstração de amor, pois essa pessoa amada não se preocupará em esforçar-se pela recuperação. Ela não terá interesse, pois seus atos maus não lhe trouxeram consequências negativas. Portanto, a lógica do amor é um juízo que traga punição mas que também ofereça oportunidade.

De modo geral, a punição do pecado é a morte, mas, em contrapartida, a oportunidade do pecador é se arrepender e receber a vida eterna de volta. Assim, já nesta vida, quem vive de acordo com os princípios divinos, aqui mesmo colhe alguns dos benefícios da oportunidade, embora deva conviver com aspectos da punição. Aqui ficamos doentes, mas aqui também podemos, ao mesmo tempo, ser o povo mais saudável do mundo. Aqui morremos, mas, ao mesmo tempo, podemos ter a esperança da vida eterna. Aqui temos que enfrentar sofrimentos, mas, ao mesmo tempo, podemos ser mais felizes que as pessoas sem esperança e sem a orientação bíblica de uma vida superior.

Portanto, se os gentios de hoje vivem em determinada situação, nós devemos viver melhor que eles. Isso significa sermos mais saudáveis, ter esperança verdadeira. E as limitações que temos em relação a eles, como a de trilhar o caminho estreito, deve ser algo tão bom e positivo que essa estreiteza seja para nós proteção contra consequências negativas que os do mundo devem sofrer, não nós.

 

  1. 2.      Segunda: Repentina e inesperada (I Tess. 5:1-3)

O fim, para os ímpios, será repentino, sem mais tempo para preparo. Assim foi para os antediluvianos, para os de Sodoma e Gomorra, para os de Jerusalém no cerco e destruição da cidade e do templo. Em todos esses casos houve oportunidade até certo momento, e então veio a destruição. Os ímpios terão se tornado tão rebeldes que, mesmo dando ainda um tempo a eles, não se arrependeriam, pelo contrário, se endureceriam ainda mais contra DEUS. Mais tempo que se lhes dê, assim como o faraó diante das pragas, mais se enfurecem contra o povo de DEUS, ficando pior para eles mesmos.

O fim para os mornos (ou joio) da igreja também não lhes dará tempo para preparo. Sim, porque se acostumaram com os atrativos do mundo que são inconvenientes para cidadãos celestes, que não largarão esses atrativos, mesmo permanecendo aberta a porta da graça por mais tempo que o recomendado. Aliás, vindo o decreto dominical, eles passarão a odiar os seus irmãos que permanecem firmes ao lado da verdade, e não cedem em nada. Aqueles se converterão nos piores inimigos da igreja, do decreto dominical em diante. E quando virem a nuvem da segunda vinda, tal como os antediluvianos, clamarão desesperados diante do amargo sabor de sua ruína. Os ímpios perseguirão os seus falsos líderes religiosos, mas os ex-adventistas, que sabiam o suficiente para fazerem uma escolha acertada, contra quem reclamarão?

É importante saber que para o povo de DEUS, o tempo de preparo vai até antes do decreto dominical, pois com ele se inicia o Alto Clamor, e nesse tempo todos nós deveremos ser úteis ao máximo para a proclamação final do terceiro anjo e também do quarto, de Apoc. 18:4. Portanto, para nós, é hoje o tempo de preparo. Nisso o Pr. Ted Wilson tornou-se um grande exemplo positivo a seguir, pois para liderar o movimento de reforma e reavivamento, começou em sua casa.

A expressão “tempos e épocas” significa, como a lição ensina, fatos da maior importância que acontecerão em nosso planeta. São os fatos da solução de nosso grande problema do pecado. Acontecerão num tempo especial, em época determinada. Os fatos são: o dia do Senhor (refere-se à intervenção de DEUS nos negócios dos homens por meio de vários atos, desde na natureza, na sociedade como soltando os ventos, e na pregação em extremo poderosa pelo povo de DEUS); a segunda vinda; o fim da história do pecado; o dia do juízo, que inclui o milênio; a restauração da perfeição aqui na Terra, que sucede a extinção dos ímpios e de suas obras. Esses fatos e seus respectivos tempos fazem parte da agenda de DEUS, e nós não temos nenhum poder sobre eles. Portanto, antes deles se tornarem realidade, nós devemos nos preparar.

Um último e relevante motivo para o preparo é que, para cada um de nós, o tempo disponível pode se esgotar a qualquer momento. O fim vem como um ladrão. Ora, quando o ladrão já está dentro de casa, o que mais há para se fazer a fim de evitar que ele entre? Em nossos dias essa ilustração de JESUS é mais que real. Como existem hoje invasões de domicílios, sequestros, assaltos, seja nas casas, nos bancos, nos automóveis e na rua mesmo! Ou você está preparado para morrer a qualquer momento, ou corre grave risco de perder também a vida eterna, junto com a vida atual. As coisas no mundo correrão em aparente normalidade, até que, de um dia para outro, a cena se altera, sai o decreto dominical, e os fatos finais se sucedem em grande velocidade, tudo saindo da normalidade. Assim foi para os antediluvianos e para os de Sodoma e Gomorra. Mas o povo de DEUS tem as profecias para não ser pego de surpresa. Porém, profecia sem preparo é o mesmo que sem profecia.

 

  1. 3.      Terça: A vantagem do crente (I Tess 5:4 e 5)

Qual é o dia em que JESUS volta? Ninguém aqui sabe, nem o incrédulo nem o crente. Então, quais as vantagens de ser crente? Muitas, e elas são importantes. Vamos falar da vantagem do crente que se prepara, pois há aquele que não faz isso. Este, em certo tempo estará em situação pior que o ímpio. Vamos fazer uma lista de vantagens de ser crente sobre não ser:

a)      O verdadeiro crente está o tempo todo preparado. Se é certo que JESUS não vem nos próximos meses, pode, no entanto, acontecer de nós morrermos a qualquer momento. Se isso ocorrer, e se não estivermos preparados, os parentes podem orar e rezar milhares de horas que isto não muda em nada a situação de perdido. Portanto, feliz de quem morreu preparado; o futuro dele é maravilhoso.

b)      Estar o tempo todo preparado, em si, traz outra vantagem importante. Leva a um estilo de vida superior, melhor, sob o princípio do amor. Não estar preparado leva facilmente a cair nas tentações desse mundo, e a vida é apenas aparentemente boa.

c)      Vamos supor, radicalmente, que a promessa da segunda vinda seja uma mentira. Mesmo assim, crer nela é vantagem. Pois, como no item “b”, nesse caso embora não se salve, ainda assim, pelo menos nessa vida vive mais saudável e mais feliz. Ora, se é bom estar preparado, seria lógico algo bom ter um fim ilusório?

d)      Também devemos ter em mente que o crente sabe o que vem pela frente, e tem certezas, mas o ímpio vive de conjecturas que podem dar certo como podem falhar.

e)      Ser crente, caso haja sofrimento, é ter certeza de que um dia esse sofrimento será recompensado com maravilhas, e estas não serão temporárias, mas eternas.

f)        Outra vantagem por parte do crente é que ele aqui tem o privilégio de fazer muitos amigos, pessoas que salva, para tê-los como pessoas especiais durante a vida eterna.

g)      A grande vantagem do crente sobre o ímpio é o cumprimento da promessa da segunda vinda, e a vida que terá a partir de então.

Mas, afinal, qual é a explicação de DEUS para não nos ter dado a data da segunda vinda? Há pelo menos dois motivos gerais. O cristão, candidato à cidadania celeste, não deve ser oportunista, isto é, aproveitar o máximo do tempo fazendo o que é errado, e no último instante se arrepender. É evidente que corre grande risco de se perder, porque poderia morrer antes de se aproximar a data planejada do arrependimento. E os que viveram muito antes de nós buscariam se preparar um pouco antes da velhice. Ora, tal pensamento é compatível com o caráter que devemos formar para vivermos sempre? Pois, o que DEUS quer é que vivamos melhor aqui, que aproveitemos o máximo desta vida segundo os critérios divinos, ou seja, nesse caso aproveitar o máximo significa uma vida superior a tudo o que o mundo possa oferecer. Isso nos leva ao outro motivo: devemos sempre estar preparados. Ou seja, viver aqui mesmo uma amostra da atmosfera celeste para onde iremos. Isso em si também é uma grande vantagem.

Devemos viver segundo a luz, segundo as instruções bíblicas. Isso é andar na luz, e seguir essa luz é viver bem melhor que qualquer recomendação ou atrativo terrestre. Vamos a uma ilustração bem corriqueira. Lembra de algum artista famoso ou de uma celebridade? São tantos que chegam à fama segundo ao mundo, mas que morrem cedo, e muitas vezes, falidos. Eles têm que ingerir drogas para ao menos poderem dormir. Embora a fama e o assédio dos fãs, não tiveram paz, e muitos deles morreram de forma dramática. Isso foi o que o mundo lhes ofereceu: vida ilusória e morte sem a verdadeira honra. E eles aproveitaram esta vida, segundo os critérios do mundo. Nós, no entanto, aproveitamos esta vida e a que DEUS promete para a eternidade. Sim, porque aproveitar a vida é viver segundo os princípios que DEUS nos deu, não segundo os mundo, de Lúcifer, que ele sedutoramente propõe.

 

 

 

  1. 4.      Quarta: Vigilância constante (I Tess 5:6-8)

Paulo resolveu ilustrar a importância de estarmos preparados o tempo todo. Usou a ilustração do bêbado, que dorme de dia e faz farra de noite. Ou seja, há momentos em que não está pronto para reagir a algum perigo, ou mesmo para trabalhar produtivamente. O cristão sóbrio sempre está vigilante. Nesse ponto, Paulo comparou ao sistema de guarda das cidades antigas. Por revezamento sempre havia vigilância, 24 horas por dia, 7 dias da semana. É verdade, havia revezamento, mas sempre alguém estava cuidando da cidade a fim de protegê-la. Assim nós devemos ser. Isso não quer dizer que não devamos dormir, mas que devemos estar preparados o tempo todo. E estar preparados é estar prontos para não sermos pegos de surpresa quando JESUS voltar ou se a morte vier antes disso. Vamos supor que uma pessoa tenha todos os seus pecados perdoados, mas, em certo momento, cometeu um pequeno deslize, como dizemos. Isto é pecado, e a consequência, se não pedir perdão, é a morte eterna. Então digamos que essa pessoa caia da escada, bata a cabeça, e tem morte instantânea. Ela perdeu a vida eterna, por causa de um pecado. Não foi vigilante o tempo todo, pois o ótimo é não pecar, mas bom é pedir perdão caso pecarmos. Ninguém entrará na Nova Terra sem ser em tudo perdoado. Nisso devemos vigiar. Para entender essas coisas é importante estudar sobre o ritual do santuário.

Mas há outras coisas pelas quais vigiar, além de cuidarmos de nossos atos e de pedirmos perdão. Por exemplo, devemos estar atentos aos que estão ao nosso redor, para ver se algum deles está aberto para receber uma mensagem de esperança. Isso não quer dizer que devemos logo propor um estudo bíblico, mas que devemos dar um testemunho positivo o tempo todo, demonstrar quem somos, e porque agimos assim. Dias atrás um ancião de igreja postou no facebook imagens de mulheres praticamente sem roupas. Que testemunho é esse? O de um bêbado espiritual, que não se flagra sobre o que é certo e o que é errado. Não consegue distinguir, não vê direito. A embriaguez a que Paulo se refere é esta: a incapacidade de distinguir o que pertence ao mundo e do que devemos nos separar, e a que nos devemos apegar.

 

  1. 5.      Quinta: Encorajar uns aos outros (I Tess 5:9-11)

Nós somos da luz. Este planeta é das trevas. As pessoas aqui amam a noite, especialmente nos finais de semana. É quando fazem festas com bebidas alcoólicas e muito barulho, sem falar em drogas. Desgastam-se quando deveriam descansar, então a segunda-feira se torna o pior dia da semana, pois, cansados, devem voltar ao trabalho. Se não fosse a necessidade de trabalhar, certamente festejariam até caírem mortos.

Nós, os que aguardamos a volta de JESUS, vivemos de modo diferente. Trabalhamos de dia e dormimos de noite, exceção daqueles que por motivos profissionais trabalham de noite ou fazem plantões, que se justifica por razões de necessidade. Mesmo assim, não é o melhor para a saúde. Nós devemos sempre estar vigilantes, isto quer dizer, atentos para possíveis armadilhas do inimigo. Por isso, como Paulo diz, se estivermos acordados, portanto de dia, ou se estivermos dormindo, estejamos sempre unidos a CRISTO. Por meio desse procedimento estaremos em situação de proteção. Ele nos alertará quando se aproximar o perigo.

Vivendo assim, escaparemos da ‘ira de DEUS’. A ira de DEUS é Seu conjunto de atos de aplicação da Lei de DEUS sobre os desobedientes, que mesmo tendo conhecimento para distinguir o certo do errado, de modo rebelde decidiram pelo caminho do mal. Portanto, a ira de DEUS é uma colheita do que os ímpios mesmos semearam. Nada mais justo. Por exemplo, na semana passada soube pela televisão de um crime brutal: um padrasto que matou seu enteado de poucos anos batendo nele. Quebrou até o crânio da criança. A ira de DEUS aguarda esse homem, vai colher um sofrimento antes da morte eterna que ele nem faz ideia. Pode arrepender-se, e que bom se o fizer, pode alcançar a vida eterna. Se ele se arrepender, poderá demonstrar o poder de DEUS testemunhando uma poderosa transformação em alguém de quem já não se espera mais nada de positivo. Mesmo que se arrependa diante de DEUS, deve permanecer preso conforme a lei. Afinal, ele tirou a vida de uma criança inocente, tirou a oportunidade dessa criança um dia vir a conhecer a verdade e viver para sempre. Mas se ele se arrepender, vai se tornar amigo dos parentes da criança que também por ventura se salvarem, e na eternidade todos viverão em harmonia.

A ira de DEUS é contra o pecado, e no final, quando se fecha a porta da graça, contra todos aqueles que, mesmo diante da luz do Alto Clamor resistirem a aceitar essas luz para uma vida superior. Aqui cada um colhe o que semeia, ou colhe amor para a eternidade, ou ira para sua eliminação no fogo do inferno. O bonito disso, antes que nos desesperemos, é que todos nós fomos predestinados a não sofrer essa ira. Pela morte de JESUS, que foi por todos, podemos ser perdoados, se quisermos. O que JESUS quer, que DEUS também quer, é que todos escapem da ira de DEUS, que cairá sobre o demônio e seus anjos, pois causaram ruína nesse planeta. É assim que se entende a tal predestinação para a vida. No entanto, se algum de nós preferir morrer, essa decisão será respeitada por DEUS, e essa pessoa experimentará a Sua ira.

 

  1. 6.      Aplicação do estudo – Sexta-feira, dia da preparação para o santo sábado:

Estamos vivendo os últimos anos nessa Terra. Quanto tempo ainda temos que sofrer aqui? Não sabemos, pois o dia e a hora ainda não foram anunciados. Mas pelos sinais sabemos que teremos pouco tempo. Podemos afirmar que são poucos anos. O que ainda temos pela frente, em grandes eventos são apenas: aumento do anúncio da segunda vinda de CRISTO; decreto dominical e respectiva perseguição; forte sacudidura, alto clamor e saída do povo de DEUS de Babilônia; fechamento da porta da graça e as pragas. Há outros eventos ainda pela frente, mas esses são essenciais. E eles serão rápidos. O alto clamor, que é a terminação da pregação do evangelho de CRISTO ao mundo todo, é uma atividade gigantesca, mas com o poder do ESPÍRITO SANTO será rápida e eficaz. Portanto, uma coisa é hoje extremamente importante: vigiar, ou, estar preparado o tempo todo. “Se formos chamados a sofrer por amor de Cristo, seremos capazes de ir para a prisão confiando nEle como uma criancinha confia em seus pais. Agora é o tempo de cultivar fé em Deus” (Eventos Finais, 149).

Na realidade, o adventista do sétimo dia deve preparar-se bem antes do decreto dominical, pois quando ele for emitido, a perseguição se desencadeia, e aí fica bem difícil se preparar. Quando vier esse decreto, mais provável para o adventista que não estiver preparado é ele abandonar a igreja. “Ao aproximar-se a tempestade, uma classe numerosa que tem professado fé na mensagem do terceiro anjo, mas não tem sido santificada pela obediência à verdade, abandona a sua posição, passando para as fileiras do adversário” (O Grande Conflito, 608). Entenda-se por não estar preparado ainda o permanecer ligado ao mundo, naquilo que não é adequado quando tem o conhecimento do que deveria fazer. Pois então se pergunta: como alguém que não abandonou o mundanismo em tempos favoráveis irá fazer isso, de um momento para outro, e ainda buscar o conhecimento de DEUS? As amarras com o mundo criarão tal dificuldade que é mais provável que ela capitule. Nunca esquecer que os demônios estarão bem ativos nesses dias contra essas pessoas. “Quando a lei de Deus for anulada, a Sua igreja será peneirada por provas terríveis, e uma proporção maior do que agora podemos prever, dará ouvidos a espíritos enganadores e doutrinas de demônios.” Mensagens Escolhidas, vol. 2, 368.

Fiquemos sossegados. Tudo o que acontecer contra nós terá algum proveito. “Ele não permite que aflição humana alguma sobrevenha à igreja senão unicamente a que é necessária para sua purificação, seu bem presente e eterno. Purificará Sua igreja assim como purificou o templo no princípio e no fim de Seu ministério na Terra. Tudo que Ele traz sobre a igreja em forma de provações e aflições, fá-lo para que Seu povo adquira mais profunda piedade e mais força para levar a todas as partes do mundo as vitórias da cruz” (Testemunhos Seletos 3, p. 391 e 392 e Eventos Finais, 153 e 154).

Portanto, se há algo que devemos fazer nesse momento, e que nos será útil em futuro próximo, é o preparo para a crise final.

 

Assista o comentário clicando aqui.

O comentário em vídeo tem ênfase evangelística.

Talvez necessite segurar control mais um clike sobre o link.

 

escrito entre  18  e 24/07/2012

revisado em  25/07/2012

corrigido por Jair Bezerra

 

 

Declaração do professor Sikberto R. Marks

O Prof. Sikberto Renaldo Marks orienta-se pelos princípios denominacionais da Igreja Adventista do Sétimo Dia e suas instituições oficiais, crê na condução por parte de CRISTO como o comandante superior da igreja e de Seus servos aqui na Terra. Discorda de todas as publicações, pela internet ou por outros meios, que denigrem a imagem da igreja da Bíblia e em nada contribuem para que pessoas sejam estimuladas ao caminho da salvação. O professor ratifica a sua fé na integralidade da Bíblia como a Palavra de DEUS, e no Espírito de Profecia como um conjunto de orientações seguras à compreensão da vontade de DEUS apresentada por elas. E aceita também a superioridade da Bíblia como a verdade de DEUS e texto acima de todos os demais escritos sobre assuntos religiosos. Entende que há servos sinceros e fiéis de DEUS em todas as igrejas que no final dos tempos se reunirão em um só povo e serão salvos por JESUS em Sua segunda vinda a este mundo.