Estudo nº 11 – Levando informação à igreja

Lições da Escola Sabatina Mundial – Estudos do Segundo Trimestre de 2012

Tema geral do trimestre: Evangelismo e testemunho

Estudo nº 11 – Levando informação à igreja

Semana de   9 a 16 de junho

Comentário auxiliar elaborado por Sikberto Renaldo Marks, professor titular no curso de Administração de Empresas da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ (Ijuí – RS)

Este comentário é meramente complementar ao estudo da lição original

www.cristovoltara.com.br marks@unijui.edu.br – Fone/fax: (55) 3332.4868

Ijuí – Rio Grande do Sul, Brasil

 

Verso para memorizar: “Voltaram os apóstolos à presença de JESUS, e Lhe relataram tudo quanto haviam feito e ensinado” (Marcos 6:30).

 

Introdução de sábado à tarde

Quem não registra, neo relata, não tem indicadores de desempenho não sabe em que situação está. Tempos atrás, tínhamos o quadro comparativo da Escola Sabatina, agora não os vejo mais. A pergunta é: como sabemos se estamos crescendo ou se estamos retrocedendo, se não relatamos, se não comparamos o presente com o passado? Qualquer organização sem relatórios anda às cegas, alguns pensam que está muito bem enquanto outros pensam o contrário, e os dois estão errados porque não tem informação.

É notório o quanto empresas estão dedicando tempo e recursos para aperfeiçoar seus indicadores de desempenho. Seus gestores, sejam do nível estratégico, sejam do nível operacional, necessitam saber como tudo na organização está andando. Nas ações pela salvação de almas para o Reino de DEUS isso é ainda mais necessário e vital.

Nesta semana estudaremos sobre esse assunto, de vital importância. Temos que nos organizar melhor para sabermos onde estão as feridas e onde estamos sãos. Temos que saber como e onde agir para corrigir e como e onde apenas aperfeiçoar.

 

  1. 1.      Primeiro dia: Um princípio

Relatar é um princípio natural de seres inteligentes, e portanto, é também um princípio bíblico. Nós temos necessidade de contar aos que possa interessar o que estamos fazendo, e os outros tem interesse em saber, para nos ajudar, ou até mesmo para aprender. É a troca de opiniões e experiência.

Quanto mais o tempo tem avançado, desde a antiguidade, além de relatos, o ser humano fazia cada vez mais registros. Os registros servem para elaborar a trajetória histórica do que se fez. São vitais para organizações mais complexas, pois necessitam ser administradas considerando essa trajetória. Esses registros devem servir, no mínimo, para se diagnosticar (explicar os porquês) da situação presente para então planejar em direção ao futuro. O pastor Joe escreveu uma heresia ao dizer, na abertura da lição de hoje, que folhas de papel cheias de estatísticas servem para acumular poeira. Administradores profissionais devem perdoá-lo porque não entende do que escreveu. É exatamente o contrário, existem hoje softwares de computador para analisar esses dados e ajudar os gestores das organizações complexas, entra as quais está a nossa igreja, a tomar decisões mais adequadas para sua sobrevivência nesse mundo turbulento.

No caso de Atos capítulo 4, os apóstolos Pedro e João relataram à igrejas a sua experiência na pregação. Eles haviam sido presos pelos membros do Sinédrio, porque estavam ensinando sobre JESUS. Lá foram investigados como se fossem maus elementos, nocivos à sociedade e à ordem legal. Foram severamente ameaçados afim de pararem com esses ensinamentos. Demonstraram extremo ódio com os dois pregadores. Enfim, com ameaças os soltaram e recomendaram que nunca mais pregassem sobre o evangelho.

Uma vez soltos, foram direto para onde os irmãos estavam reunidos, e relataram o que havia acontecido. A igreja assim se tornou ainda mais unida do que antes, e orou unida pela pregação, com mais poder. Ao pedirem esse poder, unidos por inteiro, o lugar tremeu, e tiveram ainda mais poder do ESPÍRITO SANTO, e foram pregar com mais intrepidez que antes. Diz o verso 32 que “da multidão dos que creram era um o coração e a alma.” Estavam unidos, e nessa condição nada nesse mundo pode se intercalar entre o ser humano e DEUS. E qual foi a causa do aumento dessa unidade entre aqueles irmãos? Foi justamente aquilo que deveria tê-los enfraquecido, as ameaças por parte dos inimigos. Tendo Pedro e João relatado essas ameaças, a igreja passou a orar como um só coração, e tiveram o poder necessário para enfrentar a situação e não interromper a pregação.

 

  1. 2.      Segunda: “O que DEUS tem feito”

Os relatórios de atividades ajudam a integrar melhor aqueles que tem boa vontade, mas contribuem para aumento da oposição por parte daqueles que não estão bem intencionados. Foi assim com Paulo, quando retornou de uma de suas viagens missionárias. Ele relatou o quanto o trabalho fora abençoado em todos os lugares. E os que apoiavam exultaram em louvor a DEUS. Mas os opositores, que já vinham criando fragmentações na igreja local, e que não concordavam com Paulo, vendo que fora abençoado por DEUS, isto é, que DEUS concordava com ele, não se deram por convencidos de que estavam errados. Pelo contrário, reforçaram a divisão mediante mais firme defesa de seus errados pontos de vista.

Veja só como esse comportamentos funcionam. Aqueles que apóiam, eles oram pelo missionário. Ficam de alguma maneira ligados a ele. E se a ação missionária acontece no lugar onde os apoiadores moram, eles estão lá, presentes, apoiando com seus esforços. Logo, esses aí se alegram quando tudo dá certo, mas se entristecem se algo dá errado, e buscam ajudar para resolver.

Por sua vez, aqueles que são contra, ficam desejando que algo dê errado. Mas, se tudo dá certo, falam mal, dizem que os resultados são insuficientes, que tudo poderia ser melhor. E se realmente a iniciativa não é bem sucedida, exultam, e falta só cantarem hinos de louvor pelo fracasso.

Os relatórios são, como se costuma dizer, feedback, isto é, retorno do que se fez. Esse retorno irá confirmar se os esforços evangelísticos foram bem sucedidos ou não, e servirão para aperfeiçoar novos esforços.

Mas atenção, para algo muito importante. Não podemos simplesmente classificar todos em dois grupos, os do contra e os favoráveis. Há muitos decididamente favoráveis que prejudicam e muitos, aparentemente do contra, que no entanto são favoráveis. Como assim? Esses favoráveis de que estamos falando, são os ingênuos. Acham sempre que tudo vai dar certo, e estão despreparados para antecipar falhas de planejamento. Nesses casos, essas falhas realmente ocorrem, e bem que poderiam ter sido evitados.

E aqueles que aparentemente são contra, na realidade estão antevendo as tais falhas, e estão desejando ajudar a evitá-las, mas por vezes não são ouvidos, e são desconsiderados, e taxados como “do contra”. Na realidade eles são a favor, só que, querem ajudar a evitar fracassos, que eles estão percebendo antes da ocorrência.

E assim também há aqueles que aparentemente são contra, percebem certas falhas possíveis, mas essas falhas não são reais. Essas pessoas estão vendo as coisas erradas, mas não são inimigas na trincheira. Elas são pessoas boas, querem ajudar, apenas estão vendo algo irreal. Elas precisam ser conquistadas com diálogo, pois são honestas em seus pontos de vista.

Na realidade, relatórios são uma forma de prestar contas aos irmãos. São oportunidades de diálogo e de reflexão para aperfeiçoar o que se vem fazendo. Devem ser oportunidades para aperfeiçoar a unidade na igreja, portanto, para o recebimento de mais intenso poder do ESPÍRITO SANTO.

 

  1. 3.      Terça: A importância de relatar

Leia as passagens bíblicas abaixo, e busque imaginar o contexto onde esses relatos foram feitos.

“Ali chegados, reunida a igreja, relataram quantas coisas fizera Deus com eles e como abrira aos gentios a porta da fé” (Atos 14:27).

“Tendo eles chegado a Jerusalém, foram bem recebidos pela igreja, pelos apóstolos e pelos presbíteros e relataram tudo o que Deus fizera com eles” (Atos 15:4).

“Voltaram os apóstolos à presença de Jesus e lhe relataram tudo quanto haviam feito e ensinado” (Mar. 6:30).

Paulo “E, tendo-os saudado, contou minuciosamente o que Deus fizera entre os gentios por seu ministério. Ouvindo-o, deram eles glória a Deus e lhe disseram: Bem vês, irmão, quantas dezenas de milhares há entre os judeus que creram, e todos são zelosos da lei. (Atos 21:19-20)”

Agora busque imaginar-se no cenário daqueles tempos, quando a igreja estava recém iniciando, e JESUS recém tinha subido ao Céu. Era tudo novidade, havia poucos cristãos, os desafios eram grandes, e a pergunta perigosa rondava: será que vai dar certo? Então, quando aqueles que foram a cidades distantes retornavam, os que ficaram, estavam ansiosos para saber se deu tudo certo. Eles oravam pelos que iam a outras terras. Não havia comunicação fácil, senão por cartas, que levavam meses para chegarem a seus destinos. A comunicação mais eficaz era mesmo ouvir pro viva voz o que aconteceu. E quando os missionários retornavam com suas histórias, a comunidade da igreja ficava feliz em ouvir sobre os fatos. Eles assim sentiam que JESUS de fato tinha enviado o Seu ESPÍRITO, e este estava dando poder ao trabalho. Isso causava grande felicidade, e entusiasmava jovens a se prepararem para a continuidade da atividade missionária.

E nos dias de hoje, qual seria o bem de se fazer relatos?

Estamos no final da história. Há uma disputa por membros. Há milhares de igrejas e seitas cristãs. Muitas delas enchendo suas igrejas, e seus donos enriquecendo por meio de um povo ingênuo, que facilmente se deixa enganar. Então, imagine-se a seguinte situação: um membro de sua igreja, com uma equipe, vão para uma cidade próxima afim de realizar uma série de conferências, antecipadamente bem planejada. Vez por outra, todos foram envolvidos, por exemplo, na distribuição de convites. Mas nas atividades diretas, um grupo menor está trabalhando. Então, passando uma semana, imagine-se no próximo sábado pela manhã o líder vá à frente da igreja, e dê o seguinte relato: esperávamos 50 pessoas, estão assistindo 90, e destas, 38 já demonstraram positiva apreciação pela mensagem. E dois líderes pastores de outras igrejas vieram pedir para que fizéssemos uma programação em suas próprias igrejas, pois querem que seus membros conheçam a mensagem genuinamente bíblica. Só dito isso, como se sentiria?

Pois bem, essa mesmo é a finalidade dos relatos: entusiasmar pelas bênçãos que DEUS está concedendo, e influenciar a outros também se envolverem. O assunto continua amanhã e quinta-feira.

 

  1. 4.      Quarta: Relatórios e motivação

Vamos analisar o relatórios dos doze espias da terra de Canaã. O que eles disseram em comum, e o que disseram que divergia? Os doze disseram que a terra era boa, que produzia frutos excelentes,em abundância. Etambém disseram que as pessoas da terra eram prósperas, e alguns até eram gigantes no porte. Disseram que as cidades eram poderosas, fortificadas e bem guardadas. Nisso estavam todos em conformidade.

E no que divergiram entre eles? Dois disseram que era o momento de conquistarem a cidade, que DEUS, que já os havia miraculosamente tirado do Egito com mão forte, pois só pela força deles jamais teriam saído de lá, nem passado pelo Mar Vermelho, também faria maravilhas para conquistarem essa terra de gente poderosa, mas aviltados na adoração e nos costumes. Outros dez disseram que era impossível conquistar a terra. Ou seja, foram pessimistas e desacreditaram em DEUS e em Seu poder, do qual, eles mesmos eram testemunhas. Já tinham visto o poder de DEUS em ação, mas agora, olhando somente para si mesmos, temiam os guerreiros encastelados em suas fortificadas cidades. Esqueceram que tinham passado pelas águas sem se molharem, e que tinham visto todo o exército do faraó ser tragado por aquelas mesmas águas. As águas esperaram o povo de DEUS passar, mas deixaram os inimigos chegarem até o meio e então avançaram sobre eles sem piedade. E daqueles homens não voltou um sequer para casa, nem mesmo o arrogante faraó. Tudo isso, e muito mais, eles tornaram sem efeito ao desestimular o povo, desanimando-o à conquista de Canaã. Mas quando DEUS determinou que por sua dureza de coração, retornassem ao deserto, então sim, queriam, sem DEUS, conquistar a terra, pelo que foram derrotados.

O que faz um relatório mal elaborado! Ele tem a capacidade de levar ao fracasso. Sim porque ali a conquista era certa, não seriam eles que deveriam lutar, DEUS lutaria por eles. Apenas deveria obedecer e avançar, como foi no Mar Vermelho. Mais tarde, os filhos deles viram os muros de Jericó ruírem sem que tivessem feito algo.

Ao fazermos os nossos relatos não devemos ser nem otimistas, nem pessimistas, e sim, realistas, ou seja, verdadeiros. Assim podemos classificar Josué e Cabebe. Daqueles doze espias, nenhum foi otimista, dez foram pessimistas e dois fora realistas. Se houvesse otimistas eles diriam assim: “vamos, que nós podemos conquistar”. Os pessimistas disseram: “não podemos conquistar, eles são gigantes e suas cidades fortificadas.” Já os realistas disseram: “vamos, porque DEUS lutará por nós.” Porque se deve classificar estes como realistas? Porque eles fundamentaram seus argumentos em fatos do passado, essa foi a realidade pela qual saíram do Egito.

A nossa incumbência hoje é mais ou menos parecida como a conquista de Canaã. Existem milhares de igrejas guerreando pelas pessoas, e muitas com sinais e maravilhas. Aos olhos do mundo, a Igreja Adventista é mais uma. E há um detalhe severo: se nós começarmos a falar o que nos foi incumbido, atrairemos impiedosa oposição, como na Idade Média. Então é cômodo dizer, vamos levando por um tempo… Mas os realistas dizem, vamos em nome de DEUS, que assim cumpriremos a ordem de JESUS, e concluiremos nossa tarefa, pois o ESPÍRITO SANTO nos acompanhará. Assim falam e assim agem os realistas de hoje.

 

  1. 5.      Quinta: Dando glória a DEUS

Em muitos lugares não temos, em nossa igreja, o costume de fazer relatos das atividades evangelísticas, nem de dar testemunho. E também é freqüente destes relatos e testemunhos serem para exaltação própria. Sejamos honestos, isso é bem comum. E também não é tão incomum que, mesmo o relato e o testemunho vir de pessoa humilde de coração, há quem pense estar se promovendo e querendo chamar atenção a si. Há pouco espaço para que esse tipo de atividade na igreja ocorra como deve ser. Quando se fazem esses relatos e testemunhos, geralmente são fatos de repercussão, e isso é outro problema a superar. Pequenas vitórias pouco destaque tem merecido. Por exemplo, se fala com certa facilidade sobre o resultado de uma campanha evangelística ou de um estudo bíblico, mas pouco se ouve do efeito visível de um ou uma recepcionista da igreja, que acolheu diplomaticamente um visitante.

Mas é necessário que se informe a igreja sobre o eu é feito, e principalmente, por parte de quem fez. Nesses relatos alguém vai ser honrado e exaltado, isso é certo. Então devemos fazê-lo para que seja DEUS, e nenhum ser humano. Uma vez que estamos em guerra, qualquer efeito positivo que se alcance por algo que se faça, sempre é obtido pelo poder de DEUS, de alguma maneira agiu também.

Foi o caso de Pedro, naqueles tempos antigos. Entre os judeus havia divisão, herdada de tempos ainda mais antigos. Eles pensavam que os gentios não mereciam o evangelho, assim como seus pais pensavam que eles era exclusivamente o povo de DEUS. E Pedro, e outros apóstolos, os primeiros que foram pregar aos gentios, fora criticados por saírem das fronteiras de Judá. MS ao retornarem, dando seu testemunho, e relatando o quanto DEUS foi poderoso em influenciar os corações dos gentios, e como se converteram, isso fez com que aumentasse o número de judeus a aderir ao conceito de que o evangelho era para todo o mundo. E esses também deram glórias a DEUS. Logo, o que Pedro falou criou entusiasmo entre muitos judeus e eles se tornaram favoráveis à pregação entre outros povos.

 

  1. 6.      Aplicação do estudo Sexta-feira, dia da preparação para o santo sábado:

 

Assista o comentário clicando aqui.

O comentário em vídeo tem ênfase evangelística.

Talvez necessite segurar control mais um clike sobre o link.

 

escrito entre:  09/05/2012 a 15/05/2011

revisado em  16/05/2011

 

 

Declaração do professor Sikberto R. Marks

O Prof. Sikberto Renaldo Marks orienta-se pelos princípios denominacionais da Igreja Adventista do Sétimo Dia e suas instituições oficiais, crê na condução por parte de CRISTO como o comandante superior da igreja e de Seus servos aqui na Terra. Discorda de todas as publicações, pela internet ou por outros meios, que denigrem a imagem da igreja da Bíblia e em nada contribuem para que pessoas sejam estimuladas ao caminho da salvação. O professor ratifica a sua fé na integralidade da Bíblia como a Palavra de DEUS, e no Espírito de Profecia como um conjunto de orientações seguras à compreensão da vontade de DEUS apresentada por elas. E aceita também a superioridade da Bíblia como a verdade de DEUS e texto acima de todos os demais escritos sobre assuntos religiosos. Entende que há servos sinceros e fiéis de DEUS em todas as igrejas que no final dos tempos se reunirão em um só povo e serão salvos por JESUS em Sua segunda vinda a este mundo.