Estudo nº 13 – Um ministério perpétuo Semana de 23 a 30 de junho

Lições da Escola Sabatina Mundial – Estudos do Segundo Trimestre de 2012

Tema geral do trimestre: Evangelismo e Testemunho

Estudo nº 13 – Um ministério perpétuo

Semana de   23 a 30 de junho

Comentário auxiliar elaborado por Sikberto Renaldo Marks, professor titular no curso de Administração de Empresas da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ (Ijuí – RS)

Este comentário é meramente complementar ao estudo da lição original

www.cristovoltara.com.br marks@unijui.edu.br – Fone/fax: (55) 3332.4868

Ijuí – Rio Grande do Sul, Brasil

 

Verso para memorizar: “Com que se parece o Reino de DEUS? Com que o compararei? É como um grão de mostarda que um homem semeou em sua horta. Ele cresceu e se tornou uma árvore e as aves do céu fizeram ninhos em seus ramos” (Luc. 13:18 e 19, NVI).

 

Introdução de sábado à tarde

Como se entende o verso acima? Resumidamente, o Reino de DEUS está em permanente crescimento. Sempre se expande.

Por um lado, DEUS é o Criador, e frequentemente agrega novas criações, embora tenha parado de fazer isso após a intromissão do pecado no Universo. Por um lado, na pessoa, esse reino se inicia minúsculo, mas cresce indefinidamente. E ainda por outro lado, a igreja iniciou pequenina, mas cresceu, foi perseguida, encolheu-se, contudo no tempo do fim tornou a crescer. E abrangerá pessoas no mundo inteiro, acolherá homens e mulheres de todos os lugares do planeta, e muitos, crendo o que a igreja ensina, serão salvos para a vida eterna.

“Durante séculos de trevas espirituais a igreja de Deus tem sido como uma cidade edificada sobre um monte. De século em século, através de sucessivas gerações, as puras doutrinas do Céu têm sido desdobradas dentro de seus limites. Fraca e defeituosa como possa parecer, a igreja é o único objeto sobre que Deus concede em sentido especial Sua suprema atenção. É o cenário de Sua graça, na qual Se deleita em revelar Seu poder de transformar corações.

“”A que”, perguntava Cristo, “assemelharemos o reino de Deus? ou com que parábola o representaremos?” Mar. 4:30. Ele não podia empregar os reinos do mundo como uma similitude. Na sociedade nada achou com que o pudesse comparar. Os reinos da Terra se regem pela supremacia do poder físico; mas do reino de Cristo são banidos cada arma carnal, cada instrumento de coerção. Este reino deve erguer e enobrecer a humanidade. A igreja de Deus é o recinto de vida santa, plena de variados dons e dotada com o Espírito Santo. Os membros devem encontrar sua felicidade na felicidade daqueles a quem ajudam e abençoam” (Atos dos Apóstolos, 12).

 

  1. 1.      Primeiro dia: Evangelismo e testemunho incessante

O verdadeiro cristão nunca cessa de trabalhar pela salvação de vidas humanas. Ele morre trabalhando, assim como JESUS, que trabalhou até pendurado na cruz. Só parou ao expirar. Ainda, a influência dos verdadeiros cristãos continua após sua morte.

Tenhamos em mente um casal de pessoas bem idosas. Elas não podem mais fazer nada, como se diz. Nem andam mais, senão que precisam de amparo de outros, até para as necessidades higiênicas. Podem elas continuar trabalhando pela vida eterna de outras pessoas? Podem sim. Mas como? Agora elas trabalharão pelo método mais poderoso possível a qualquer ser humano: o seu testemunho de vida, ou seja, o que os outros falam a respeito da vida delas. Se foram pessoas de boa reputação cristã, nessa situação fala bem alto o seu passado. Outros comentam positivamente. Há os que se inspiram na vida delas. Também há pessoas que as usam como exemplo em seus trabalhos. E assim por diante. Tais pessoas são como JESUS: de alguma maneira trabalham quando já foram imobilizadas pela vida. JESUS já não podia mais mover-se na cruz. A única coisa que podia fazer era falar. E isso Ele fez. Salvou um dos ladrões; perdoou os pecados dos que O crucificaram (foi para perdoar que estava ali); criou condições para que a Sua mãe tivesse quem pudesse cuidar dela (apesar de ter outros filhos); e fez o principal: tornou-Se o Salvador do mundo, pendurado numa cruz. Vejam só que coisa! Os habitantes desse planeta têm sua esperança na decisão tomada por um homem, um único homem, pregado rusticamente em dois pedaços de madeira. Ali Ele fez o trabalho mais importante em todos os tempos, desde que há vida nesse planeta.

Do mesmo modo, quantos são os velhinhos que trabalham poderosamente, já imobilizados pela idade! Às vezes são poucas e sussurradas palavras, mas que comovem os corações e alertam seres humanos. Nessa situação fala não somente a experiência de vida, mas a fé inabalável munida do poder do ESPÍRITO SANTO. Se tal testemunho não comove alguma pessoa, será que vai ter que ressuscitar algum dos grandes profetas mortos para sensibilizar? JESUS mesmo disse que nem assim se moveria o coração insensível.

Portanto, se pessoas em seus últimos momentos de vida, ‘sem fazerem nada’ fazem muito mais, quem sabe, do que quando estavam na ativa, o que dizer de quem ainda tem condições de agir? Isso leva a uma reflexão profunda: quem age no tempo da plenitude de suas forças, quando esta lhe faltar, seu testemunho permanecerá pelo valor de seu caráter relatado por outros. Que DEUS abençoe aqueles que, pela doença ou pela idade, ainda trabalham com grande poder, de sua cama, de onde certamente sairão para uma cova. Ou melhor, de onde, quando acordarem, se verão diante da face do Salvador, em quem creram e em quem esperaram até seu último momento de vida.

Esta obra não pode parar, ou, dito de maneira mais realista, ela não irá parar, mesmo que eu ou você não façamos a nossa parte. E mesmo que os mais poderosos inimigos deste planeta, sejam seres humanos sejam espíritos, desencadeiem a oposição mais poderosa imaginável. Um homem velhinho ou uma senhora velhinha, cuja luz se esteja apagando, mas cujo coração esteja ligado a DEUS, sua oração, mesmo balbuciada, ou só no pensamento, quando nem mais os olhos se abrem, tem poder superior a todas as hostes dos demônios e humanos reunidos. É importante saber que, ao lado de DEUS, não há condição desfavorável, seja pendurado numa cruz seja deitado numa cama.

 

  1. 2.      Segunda: Um ambiente estimulante

Esse é um tema vital para a salvação de pessoas. Elas vivem em seu ambiente social, ao qual se adaptaram e do qual se tornaram dependentes. É um ambiente, geralmente de noitadas desregradas, festas com álcool, cigarros, som alto e glutonaria. Filmes imorais e também violentos. Novelas e outros programas altamente nocivos ao caráter. Práticas de vida condenáveis, como sonegação, pirataria de direitos autorais e pouca atenção a valores e princípios de vida com ética e com caráter bem fundamentado. Tudo regado a mais explícita falta de moralidade.

Aí a pessoa conhece a verdade. Entende e aceita. É tanta mudança que deve ocorrer que pode, por vezes, vacilar, mas vai em frente. Descobre a realidade da vida eterna. Percebe que existe um estilo superior de se viver já nessa Terra. Encanta-se com tudo isso, e principalmente que existe um DEUS de puro amor. Nos primeiros tempos sente uma experiência interessante de vida. Ela é batizada, e esse é um grande dia.

Porém, aí, aos poucos, vem uma ou outra experiência de decepção. Estamos nos baseando em fatos reais (vide, mais adiante, o comentário de 4ª feira). Essa experiência torna-se angustiosa. A família não tem ambiente social. Os velhos amigos pressionam, e novos amigos são poucos, ou nem existem. Entraram para a igreja verdadeira, mas não encontraram uma sociedade acolhedora. Sentem falta de pertencer a um grupo onde possam interagir, ter convívio, conversar, sentirem-se seres sociais, como foram criados por DEUS.

Então o que acontece? Voltam para a antiga sociedade de onde vieram, largando tudo o que haviam recebido. Ou melhor, largam a vida eterna, porque sociabilidade não haviam recebido. A vida eterna é uma promessa para o futuro, mas a sociabilidade é a condição necessária de vida no presente, enquanto esse tão almejado futuro não vem. Receberam JESUS, que lhes foi oferecido, mas quem lhes deu JESUS, não os acolheu como amigos. Perceberam-se uma família fora do ninho.

Quando isso acontece, houve grave falha por parte da igreja, como um todo. Se formos uma comunidade de crentes socialmente bem integrados, então iremos atrair pessoas, mesmo sem grande esforço evangelístico. Mas se for como a ilustração acima, então até devemos orar para que DEUS não nos dê novos interessados pelo batismo, pois a experiência de descobrir algo superior e ter que largar por não poder sustentar é decepcionante.

 

  1. 3.      Terça: Formando instrutores

A lição de hoje é de caráter prático e é importante para o crescimento das igrejas e grupos. Mas ela deve ser posta em prática. Nada resolve estudarmos e ficar tudo como antes desse estudo. Temos que mudar urgentemente com relação a formação de líderes na igreja.

Hoje o autor foi muito feliz. Em poucas linhas expôs o problema e também a solução. Qual é o problema? É a escassez de liderança na igreja e a dependência de poucas pessoas capazes de dinamizar o funcionamento da igreja ou grupo. É necessário que, mesmo grupos com poucos irmãos, isolados de outra igreja mais numerosa, sejam dinâmicos a tal ponto que possam criar condições atraentes de programação, e inventarem novidades coerentes com os nossos princípios para quebrar a monotonia. Ainda que, quando os líderes que estiverem na ativa não puderem mais atuar, que já haja outros em ação, tanto para que aqueles sejam substituídos quanto para que a carga deles seja distribuída a maior número de pessoas.

Um dos nossos grandes problemas é a falta de liderança na igreja, em especial, nas menores e mais humildes e nos grupos do interior. Falta qualificação de pessoas para essa atividade. Resulta em igrejas pequenas e grupos desanimados, com programas sem atrativos, sempre a mesma coisa, com baixa contribuição espiritual. Pensando nisso, estamos elaborando um vídeo a fim de colaborar na formação de lideranças locais. Nós devíamos ter preocupação em formar liderança em todos os lugares onde se abrem novos grupos ou igrejas. Isso não é difícil, mas quase nada é feito, e em grande parte dos casos, absolutamente nada é feito. Não faz sentido um tremendo evangelismo só para depois abandonar os recém-conversos à sua própria sorte. Aqui vai um apelo aos profissionais ‘leigos’ da igreja: tomemos a iniciativa de realizar cursos de formação de líderes para lugares onde isso é uma carência. Sabemos que uma iniciativa oficial da igreja não haverá. Quem for empresário, gerente, ou que tiver formação e for líder em sua atividade, deixe de pregar e de dar estudos bíblicos, se for o caso, e dedique-se à manutenção do que já foi alcançado, e crie cursos de treinamento para a formação desse tipo de líder, para fortalecer a igreja. Será que esse é um apelo tolo?

 

  1. 4.      Quarta: Resgatando pessoas afastadas

Faremos uma inversão dos assuntos. Mesmo mantendo os títulos, abordaremos o que vem amanhã, e no estudo de quinta abordaremos o de hoje. É o mais lógico.

Para esse assunto, vamos analisar um estudo muito bom elaborado pelo Pr. Rubén Pereyra, Doutor em Ministério pela Andrews University. Quais são as causas mais relevantes da apostasia? Resumidamente elenquemos o que ele dispôs em seu estudo. Esse estudo não é recente, mas é facilmente perceptível o quanto ainda é atual em nossos dias.

a)   “A motivação do, ou dos mensageiros que participam da campanha”, ou seja, o alcance da “quota de produção” ou alvo de batismos. Diz o pastor: Em algumas das igrejas que mais crescem solidamente, nota-se uma maior ênfase na pregação da verdade do que nas cifras estatísticas, resultando assim em mais decisões que perduram. A excessiva pressão sobre números que é dada em certos círculos da Igreja, produz uma tensão que resulta em profissionais desprovidos da verdadeira motivação redentora.”

b)        “Tipo de experiência prévia ao batismo. A diferença entre proselitismo e conversão está, basicamente, no fato de que no primeiro caso se convence ou se conquista a pessoa a mudar de igreja, filiando-se a uma outra…” “Tal experiência não terá profundidade suficiente para a sobrevivência após o “nascimento”. No livro Evangelismo lê-se de tais experiências: “A salvação não está em ser batizado, em ter nosso nome nos livros da igreja, nem em pregar a verdade. Mas em uma viva união com Jesus Cristo para ser renovado no coração…” Evangelismo, pág. 319.” … “Nosso evangelismo deveria ser fruto de encontro e experiência com Cristo através do conhecimento. Não de conhecimento e prática das normas cristãs somente, mas impregnadas do amor por Cristo e de uma entrega total a Ele.” … “Qual seria, pois, a solução? Um enfoque menos teológico e mais experimental do que é o cristianismo, enfatizando a fé, a entrega, a conversão, baseando tudo no conhecimento de Cristo e no Espírito Santo.”

c)        O novo converso necessita de um ambiente caloroso, receptivo, de uma nova sociedade que o acolha fraternalmente, o tempo todo. O Pr. Rubén explica isso detalhadamente, que por razão de espaço, reduzimos aqui, em itens:

  • “O espírito de alegria, de fraternidade e fidelidade que existe na igreja. O desapontamento que produz uma igreja desunida ou adormecida pode ser fatal para quem vibra com seu primeiro amor.
  • A inspiração que recebe o novo membro ao ser integrado na atividade missionária. Exigir que ele faça atividades que deve cumprir como obrigação religiosa pode enfadar o novo membro. Por outro lado, a participação motivada pelo grande amor à verdade e a Cristo é um tonificante contra um possível estado de desânimo.
  • O apoio nos momentos de luta. Logo em seguida ao batismo podem vir tempos difíceis como rejeição dos familiares e amigos, conflitos na adaptação à nova forma de viver, dificuldades para a observância do sábado, ou ainda incertezas quanto a sua nova fé. Sentir-se abandonado em momentos assim pode ser fatal para um novo membro.
  • A edificação espiritual promovida pelo próprio crente. Em um folheto intitulado “Equipamento de Sobrevivência para Cristãos Novos”, escrito por Ralph Neighbour Jr. e publicado pela Convention Press (7a. Edição, 1982) estão descritas algumas “fases pelas quais passam quase todos os novos cristãos, e as maneiras de evitar o fracasso”. São elas:
  1. a.      A fase da lua-de-mel. Cheia de felicidade.
  2. b.      A fase da luta. A antiga natureza quer ressuscitar.
  3. c.       A fase da dúvida. E uma experiência similar à do recém casado que acreditava que tudo seria mel…
  4. d.      A fase do pânico. O novo membro passa a fazer um estudo mais profundo da verdade; uma investigação desesperada para certificar-se de que deu o passo correto.
  5. e.       A fase do “cristão silencioso”. Aquele que guarda sua fé e não testemunha, passando a engrossar as fileiras dos “cristãos do serviço secreto”.

Pois bem, nem todos passam exatamente pelas fases acima. Elas são fruto de estudos feitos já há algum tempo. Esse material está disponível para quem desejar na íntegra: http://www.horatranquila.com.br/o_bom_pastor/livros/o_problema_da_apostasia.doc. O estudo indica, em resumo, o seguinte: quando um membro sai da igreja, a maior parte da culpa é da igreja e de sua liderança. E a maior causa da apostasia certamente ocorre por falta de ambiente social, não tanto por falta de conhecimento espiritual. Assim sendo, não parece difícil resolver as causas do problema. É uma mudança de cultura, do individualismo para uma convivência social mais prazerosa, espiritualmente bem fundamentada.

 

  1. 5.      Quinta: A porta dos fundos

Então hoje comentaremos o tema de ontem. O que fazer para evitar que as pessoas saiam, e como trazer de volta as que saíram?

Do estudo de ontem, baseado no Pr. Rubén, podemos resumir em três pontos as razões da saída:

1º) A motivação do evangelista, ou seja, quem buscou as pessoas basicamente para batizar, não para salvar. Isso leva a um conhecimento superficial das doutrinas bem como a uma decisão precipitada pelo batismo. Depois que a pessoa descobre quais dificuldades vai enfrentar, não tem o preparo para a luta. É algo como mandar para a guerra um soldado, muito bem armado (no caso é a Bíblia), mas que não foi instruído sobre como manusear sua arma e munição. Quando estoura uma batalha, ele fica sem saber o que fazer, e faz tudo errado.

2º) Entrar na igreja sem experiência com CRISTO. Por isso, torna-se uma pessoa que olha mais para os outros membros que para CRISTO, para tentar saber como se deve proceder para ser cristão. E nessa tentativa, ele olha para os membros que têm as fraquezas que ele também tem.

3º) O ambiente não é caloroso, de alegria, de integração, de acolhimento, nem há apoio para as lutas que certamente deverá enfrentar. Batizou-se, agora se vire por conta própria. Quem o trouxe à igreja desapareceu, os demais membros nunca estiveram comprometidos, e veem essa pessoa como mais um estranho que um irmão. Não houve preparo da igreja para receber pessoas que foram resgatadas do inferno, local que elas muitas vezes amavam.

4º) Faltou edificação espiritual, isto é, a aquisição de mais conhecimento pós batismo. Um cristão nunca deve deixar de estudar e de crescer espiritualmente. E a igreja deve motivar a todos para seguirem esse caminho. Esse foi o caminho dos bereanos: estudar, pesquisar e se aprofundar. Eles conferiam se o que o pregador falava era mesmo assim. Eles desenvolverem o saudável espírito crítico, que é a capacidade de procurar erros em si mesmo e o cuidado para que outros não nos influenciem para caminhos errados.

Mais coisas interessantes poderiam ser acrescentadas. Por exemplo, a antiga “operação resgate”, da qual já não se fala mais. Programas esporádicos para os afastados são como uma brincadeira com eles, pois se faz esse programa, e depois mais nada. A nossa atitude para com vidas humanas precisa mudar muito. Resumindo tudo, em poucas palavras, necessitamos, todos, de mais fraternidade.

 

  1. 6.      Aplicação do estudo Sexta-feira, dia da preparação para o santo sábado:

Esses assuntos são importantes demais para esquecermos. Às vezes, coisas relevantes. Os conselhos do autor da lição para se manter o ministério contínuo são bons, mas faltou o principal: a busca do poder do ESPÍRITO SANTO, justamente Quem nos foi dado para essa finalidade. O ESPÍRITO SANTO nosso Senhor deixou para esses dias finais. Ele será concedido em grande medida para a finalização da obra de evangelização do mundo. Até se pode dizer: uma pessoa ou um grupo que confia no poder do ESPÍRITO SANTO pode até esquecer das 4 recomendações da lição, o seu trabalho correrá bem, e terá apoio.

Vamos a mais algumas recomendações que também são bem importantes:

1ª) Ser humilde, não querer destaque para si, trabalhar para a honra e glória de DEUS e para o bem do próximo, assim como JESUS;

2ª) Andar com DEUS, assim como Enoque;

3ª) Ser fiel a DEUS e Seus princípios de caráter, em tudo o que fizer, assim como Daniel;

4ª) Fazer tudo com esforço, fazer o melhor, e buscar o crescimento na capacidade necessária para o trabalho que desempenha e também buscar desenvolvimento espiritual, assim como José do Egito;

5ª) Ao cair em pecado, estar sempre disposto a se arrepender, e a mudar tudo o que descobrir de errado em sua vida, assim como Davi;

6ª) Ser capaz de distinguir o correto do errado, assim como Elias e João Batista;

7ª) Amar a todos e servir por amor, sempre dispostos a perdoar, mas também não fechando os olhos para os corruptores, assim como JESUS.

Essa lista de bons exemplos pode ser aumentada em muito. Temos Noé, os apóstolos, Moisés, Ester, Noemi e Rute, Dorcas, os patriarcas, e muitos outros. Cada um dos personagens bíblicos teve seus pontos fracos e pontos fortes. O conjunto dos pontos fortes de todos deles se aproxima do que foi JESUS, o perfeito. Se seguirmos apenas o modelo de JESUS, estaremos imitando o que havia de correto nos grandes homens e mulheres do passado e do presente que honraram a DEUS, e que fizeram relevantes trabalhos em favor de seus semelhantes.

Entrega o teu caminho ao Senhor; confia nEle, e o mais Ele fará” (Sal. 37:5).

 

Assista o comentário clicando aqui.

O comentário em vídeo tem ênfase evangelística.

Talvez necessite segurar control mais um clike sobre o link.

 

escrito entre  23 e 29/05/2012

revisado em  30/05/2012

corrigido por Jair Bezerra

 

 

Declaração do professor Sikberto R. Marks

O Prof. Sikberto Renaldo Marks orienta-se pelos princípios denominacionais da Igreja Adventista do Sétimo Dia e suas instituições oficiais, crê na condução por parte de CRISTO como o comandante superior da igreja e de Seus servos aqui na Terra. Discorda de todas as publicações, pela internet ou por outros meios, que denigrem a imagem da igreja da Bíblia e em nada contribuem para que pessoas sejam estimuladas ao caminho da salvação. O professor ratifica a sua fé na integralidade da Bíblia como a Palavra de DEUS, e no Espírito de Profecia como um conjunto de orientações seguras à compreensão da vontade de DEUS apresentada por elas. E aceita também a superioridade da Bíblia como a verdade de DEUS e texto acima de todos os demais escritos sobre assuntos religiosos. Entende que há servos sinceros e fiéis de DEUS em todas as igrejas que no final dos tempos se reunirão em um só povo e serão salvos por JESUS em Sua segunda vinda a este mundo.