Lição 09 – ESabatina – Eventos Finais – 25/08 – 01/09 – 2012

Licao da Escola SabatinaLição 09 EVENTOS FINAIS
Pr. Albino Marks
“Nós, porém, que somos do dia, sejamos sóbrios, revestindo-nos da couraça da fé e do amor e tomando como capacete a esperança da salvação”. – 1Ts 5:8.
INTRODUÇÃO – Paulo advertindo e orientando os novos crentes em relação à volta de Jesus, declara: “Pois vocês mesmos sabem perfeitamente que o dia do Senhor virá como ladrão à noite”. – 1Ts 5:2 – Nova Versão Internacional.
Todavia, os discípulos que viveram a intimidade do relacionamento com Cristo, com profunda intensidade aguardavam o momento do reencontro com grandes e expectantes anseios.
O apóstolo Paulo não foge desta maneira de aguardar o dia da volta de Jesus. Analisando o seu argumento ao pé da letra, conclui-se com grande facilidade que a sua expectativa centralizava-se na volta de Cristo para seus dias. “Dizemos a vocês, pela palavra do Senhor, que nós, os que estivermos vivos, os que ficarmos até a vinda do Senhor…”. – 1Ts 4:15 – NVI.
Esta maneira de entender e aguardar a volta de Jesus era passada para todos aqueles que se uniam à Igreja. Mas, esta expectativa passou a criar problemas e especulações.
À medida que o tempo passava, nova luz foi mudando a compreensão. Assim, em sua segunda carta aos Tessalonicenses, Paulo alerta: “Não se deixem abalar nem alarmar tão facilmente, quer por profecia, quer por palavra… como se o dia do Senhor já tivesse chegado”. – 2Ts 2:2 – Nova Versão Internacional.
Mesmo que a esperança da volta de Jesus estivesse sendo aguardada como um acontecimento muito próximo, Paulo alerta sobre falsas proclamações que podiam conduzir à decepção e ao desânimo. A expectativa podia não se concretizar tão cedo, em sua realidade, porque outros acontecimentos teriam de ocorrer antes da chegada do dia determinado e muito almejado.
O mais importante em relação à volta de Jesus, não é o acontecimento real em si, mas de que maneira eu estou me preparando para esse dia. Como desconhecemos o plano de Deus para este acontecimento e como não temos nenhuma certeza em relação ao dia de amanhã em nossa curta existência, o preparo requer diligência em cada dia.
PENSE – “Cristo aguarda com fremente desejo a manifestação de Si mesmo em Sua igreja. Quando o caráter de Cristo se reproduzir perfeitamente em Seu povo, então virá para reclamá-los como Seus”. – Parábolas de Jesus, pág. 69.
DESAFIO – Aguardando, e apressando-vos (preparando-vos) para a vinda do dia de Deus”. – 2Pe 3:12 – Almeida Revisa e Corrigida.
OS DOIS LADOS DO JUIZO – Na orientação e ordem de Deus para Adão e Eva, antes do pecado, evidenciam-se três conceitos de Deus no modo de agir com o homem criado: da graça, da lei e do julgamento ou juízo: “Coma livremente”, – o conceito da graça. “Mas não coma da árvore do conhecimento do bem e do mal”, – o conceito da lei. “Se comer da árvore do bem e do mal, certamente você morrerá”. – O conceito do julgamento ou juízo. (NVI). Os atributos do caráter de Deus são eternos como eterno é Deus. Portanto, são presentes através da eternidade, independentes da existência, ou não, do pecado.
Assim que o homem pecou, Deus adicionou o quarto conceito, agora, em Sua maneira de lidar com o pecador: As consequências da transgressão: Em Gênesis 3:16-19, Deus conscientizou o homem caído das consequências de sua transgressão, sofrendo-as como pena do juízo. Todo ato contra a lei é julgado, e recebe a sentença do tribunal. É o juízo.
Por que Deus não executou a sentença fatal do tribunal, o juízo, no momento da transgressão? Em virtude do conceito da graça.
Todas as criaturas de Deus, em Seu imenso Universo foram e continuam envolvidas pela revelação do conceito de Seu amor e de Sua graça, tendo recebido a liberdade da escolha de obediência espontânea por amor.
O pecado rompeu o relacionamento da intimidade direta, face a face com Deus, mas não separou o homem do conceito do manancial da graça. O plano de Deus para que o homem viva feliz não sofreu alteração. Mesmo em face do pecado, o plano de Deus para o homem mediante a Sua graça continua o mesmo: desfrutar vida abundante e alegria transbordante.
O juízo de Deus tem dois aspectos importantes: o imediato e o mediato. O imediato são as consequências da transgressão sob o conceito do domínio da graça. O transgressor sofre as consequências, mas a graça oferece a oportunidade de restauração. O juízo mediato é a execução da sentença do tribunal de Deus, no final. Tudo depende da atitude do homem de aceitar ou rejeitar o conceito ou o plano divino da graça.
PENSE – “Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância… Eu lhes disse isto para que vocês fiquem muito alegres. Sim, vocês vão ficar transbordando com a minha alegria”. – Jo 10:10 – Bíblia de Jerusalém, e 15:11 – Bíblia Viva.
DESAFIO – “Ora, a Lei interveio para que avultasse a falta; mas onde avultou o pecado, a graça superabundou”. – Rm 5:20 – Bíblia de Jerusalém.
REPENTINA E INESPERADA – Já houve muita especulação em relação ao dia da volta de Jesus. Sempre surgem espíritos ávidos com o intento de encontrar a solução para o que a Palavra de Deus não indica nenhuma solução. A Escritura apresenta sinais indicadores avisando da proximidade do evento, mas não determina o momento exato. Entra na questão a maneira de nós seres humanos contabilizar o tempo em relação à maneira de Deus. Desde o dia escuro, em 1780, até hoje, já decorreram mais de 230 anos. Para nós muito tempo; para Deus, uma piscadela.
Paulo declara que esse dia virá como ladrão, usando a figura que Jesus usou. O ladrão não avisa com antecedência o momento em que fará a sua visita indesejada. A volta de Jesus é muito desejada, mas não foi marcado o dia nem a hora, por razões que têm muito a ver com a natureza humana.
O salmista Asafe nos lega um recado de Deus: “Tu dizes: ’Eu determino o tempo em que julgarei com justiça’”. – Sl 75:2 – Nova Versão Internacional.
Os discípulos de Jesus também estavam muito ansiosos para conhecer o dia de Sua volta. Para eles Jesus fez a declaração que é muito importante para nós: ”Ele lhes respondeu: ’Não lhes compete saber os tempos e as datas que o Pai estabeleceu pela sua própria autoridade’”. – At 1:7 – NVI.
Ainda que Deus tenha predito acontecimentos e definido condições reinantes em nosso mundo, que alertam e advertem sobre o fim do grande conflito cósmico e da presente ordem mundial, Ele não disse nada sobre o exato momento dessa data final, que é de Sua inteira competência.
Para Timóteo, Paulo escreveu: “Guarde este mandamento imaculado e irrepreensível, até a manifestação de nosso Senhor Jesus Cristo, a qual Deus fará se cumprir no seu devido tempo”. – 1Tm 6:14 e 15 – Nova Versão Internacional.
Entendemos que Paulo também tinha fortes convicções de que o dia do retorno de Jesus somente aconteceria depois de outros eventos importantes e no tempo determinado. – “No seu devido tempo”.
PENSE – “Quando começarem a acontecer estas coisas, levantem-se e ergam a cabeça, porque estará próxima a redenção de vocês”. – Lc 21:28 – Nova Versão Internacional.
DESAFIO – “Portanto, vigiem, porque vocês não sabem o dia nem a hora”. – Mt 25:13 – Nova Versão Interacional.
A VANTAGEM DO CRENTE – Um bom exemplo da vantagem do crente para compreender o cumprimento da promessa de Jesus, em relação à Sua volta encontramos na vida de Ellen G. White. Ela declarou: “Dando o evangelho ao mundo, está em nosso poder apressar a volta de nosso Senhor – DTN, 633 e 634. (1898)”. – EF. pág. 35.
Coloquemos em contraste outra declaração: “Ao mesmo tempo em que a misericórdia de Deus suporta longamente o transgressor, há um limite além do qual os homens não podem ir no pecado”. – Patriarcas e Profetas, pág. 161 (1890).
Tal como os discípulos de Jesus e Paulo, Ellen G. White desenvolveu um relacionamento de companheirismo muito íntimo com Jesus e com o Deus eterno. Ela ansiava estar com Jesus no lar eterno. Expressou esse anseio com tanta convicção que estava certa que se todos vivessem com a mesma intensidade a preciosa esperança, Jesus poderia voltar em seus dias, alimentando a mesma certeza dos apóstolos e de Paulo.
No entanto, também ela recebeu visões, praticamente dois milênios depois de Paulo, revelando que esse dia determinado por Deus, irá ocorrer no momento oportuno dentro do programa por Ele definido.
Hoje, estamos praticamente a um século da morte de Ellen G. White e Jesus ainda não voltou. Por que esse acontecimento tão almejado, demora? “Pois o fim só virá no tempo determinado”. – Dn 11:27 – NVI.
A vantagem não se encontra em conhecer o dia da Sua volta, mas na certeza de Sua volta. A fé genuína centraliza-se nesta certeza e, portanto, O aguardamos como se viesse hoje. Você e eu, precisamos estar preparados agora, porque não sabemos o que acontecerá conosco no momento seguinte. Para cada ser humano a volta de Jesus está muito perto. Para cada um de nós, Jesus pode voltar hoje.
Jesus advertiu: “Tenham cuidado, para não sobrecarregar o coração de vocês de libertinagem, bebedeira e ansiedades da vida, e aquele dia venha sobre vocês inesperadamente”. – Lc 21:34 – Nova Versão Internacional.
Tão incerto, para os humanos, como é o dia da volta de Jesus, é incerto o dia de amanhã para nós. Hoje, é o dia de nossa oportunidade. Portanto, vivamos cada dia de oportunidade como sendo o dia do retorno de nosso Senhor.
PENSE – “Mas vocês, irmãos, não estão em trevas, para que esse dia os surpreenda como ladrão”. – 1Ts 5:4 – Nova Versão Internacional.
DESAFIO – “Estejam sempre atentos e orem para que vocês possam escapar de tudo o que está para acontecer, e estar em pé diante do Filho do homem”. – Lc 21:36 – Nova Versão Internacional.
VIGILÂNCIA CONSTANTE – Paulo coloca algumas condições para as quais precisamos estar alertas em nossa espera pela volta do Senhor: Não dormir, estar atento e ser sóbrio. O sono, refere à indiferença espiritual. Estar atento aos sinais indicadores revelados por Deus. Viver com sobriedade, não permitindo que qualquer vento de doutrina nos embriague e obscureça a visão espiritual. Pelo contrário, sempre devemos estar vestidos com a couraça da fé na Palavra de Deus e do amor para com Deus e o semelhante. Protegendo as nossas convicções espirituais com o capacete da salvação.
As mensagens dos profetas e escritores bíblicos sempre trazem a marca da brevidade do tempo para o preparo para a recompensa de vida eterna. A nossa existência neste mundo é muito curta. “Estou apenas de passagem aqui na terra, sou um viajante e preciso de teus mandamentos para me orientar”. – Sl 119:19 – Bíblia Viva.
Quando as mensagens são vistas em face da brevidade e incerteza da vida do ser humano, a vigilância e sobriedade tornam-se um argumento poderoso: É preciso pressa e diligência no preparo para o grande Dia de Deus, pois não sabemos se amanhã ainda teremos oportunidade para esta super-importante tarefa.
Todos os apóstolos que deixaram mensagens escritas, expressam um grande anseio por esse dia. No entanto, o apelo de suas mensagens recai sobre o preparo permanente para estar de pé, habilitado para o encontro tão esperado.
Tiago expressa essa esperança nas seguintes palavras: “Sejam também pacientes e fortaleçam o seu coração, pois a vinda do Senhor está próxima”. – Tg 5:8 – Nova Versão Internacional.
João, no Apocalipse declara: “Porque o tempo está próximo”. – Ap 1:3 – NVI. No final do livro, ele enfatiza a promessa de Jesus: “Aquele que dá testemunho destas coisas diz: ‘Sim, venho em breve!’” – Ap 22:20 – Nova Versão Internacional.
Avaliando a maneira de expressar-se sobre a segunda vinda de Jesus, podemos admitir que o desejo do reencontro para muito breve, era a grande expectativa dominante daqueles que tiveram o privilégio do companheirismo pessoal com Jesus. Ou, como Paulo, que passou a viver a realidade desse companheirismo assim que conheceu o amado Salvador.
PENSE – “Cristo aguarda com fremente desejo a manifestação de Si mesmo em Sua igreja. Quando o caráter de Cristo se reproduzir perfeitamente em Seu povo, então virá para reclamá-los como Seus”. – Parábolas de Jesus, pág. 69.
DESAFIO – “Assim, vocês também precisam estar preparados, porque o Filho do homem virá numa hora em que vocês menos esperam”. – Mt 24: 44 – Nova Versão Internacional.
ENCORAJAR UNS AOS OUTROS – Nós que vivemos à luz do conhecimento da Palavra de Deus, devemos encorajar-nos uns aos outros, para cada dia viver com maior intensidade a nossa fé.
Mesmo porque, sofrendo em nosso corpo abatido as consequências do juízo imediato, com problemas que o pecado lançou sobre nós, vivemos pela fé na graça, a alegria da esperança da restauração. Esperança que nos liberta do dia da ira, o juízo mediato, que será executado contra todos aqueles que rejeitam a dádiva da graça.
“Ao mesmo tempo em que a misericórdia de Deus suporta longamente o transgressor, há um limite além do qual os homens não podem ir no pecado. Quando é atingido aquele limite, os oferecimentos de misericórdia são retirados, e inicia-se o ministério do juízo”. – Patriarcas e Profetas, pág. 162. (1890).
“Há um limite além do qual os juízos de Jeová não podem mais ser detidos”. – PR. pág. 417. (1914).
Argumenta-se também que a volta de Jesus não está condicionada a um tempo exato, mas à formação de circunstâncias. Quando acontecer uma conjuntura de eventos, então Jesus voltará.
Deus não age sob a pressão de circunstâncias, como surpreendido por um imprevisto. Ele determina o tempo para os acontecimentos e em chegando o momento, age para criar as circunstâncias e o acontecimento tem lugar no tempo determinado.
A volta de Jesus e o fim da história da humanidade atual, não estão condicionadas à formação de circunstâncias ou condições por parte de ações humanas. O fim está condicionado ao tempo determinado por Deus em Sua presciência. Se assim0 não fosse, Ele não seria Deus. Ele não começa a agir porque alguma coisa aconteceu, mas age para fazer acontecer. Quando chegar a “plenitude do tempo”, “a hora do seu juízo”, no Seu cronograma, Ele agirá para que as condições e circunstâncias se formem para a realização da gloriosa esperança no glorioso acontecimento da volta de Jesus e para a execução do juízo, porque “juízo lavrado há longo tempo não tarda, e a sua destruição não dorme”. – 2Pe 2:3 – Almeida Revista e Atualizada.
Deus prediz os acontecimentos e então no momento determinado Ele entra em ação e os faz acontecer. “Eu predisse há muito as coisas passadas, minha boca as anunciou, e eu as fiz conhecidas; então repentinamente agi, e elas aconteceram” – Is 48:3 – Nova Versão Internacional.
PENSE – “Com infalível precisão, o Ser infinito ainda mantém, por assim dizer, uma conta com todas as nações. Enquanto Sua misericórdia se oferece com convites ao arrependimento, esta conta permanecerá aberta; quando, porém, os algarismos atingirem um certo total que Deus fixou, começa o ministério de Sua ira. Encerra-se a conta. Não há mais intercessão de misericórdia a favor deles”. – Testemunhos Seletos, vol. 2. pág. 63 (1882).
DESAFIO – “Por isso, exortem-se e edifiquem-se uns aos outros, como de fato vocês estão fazendo”. – 1Ts 5:11 – Nova Versão Internacional.
ESTUDO ADICIONAL – Analisemos de modo sucinto declarações que têm sido mal compreendidas: “Ele terá sucesso até que o tempo da ira se complete, pois o que foi decidido irá acontecer… Pois o fim só virá no tempo determinado”. – Dn 11:36 e 27 – Nova Versão Internacional.
“Tu dizes: ’Eu determino o tempo em que julgarei com justiça’”. – Sl 75:2 – Nova Versão Internacional.
Como harmonizar estes textos que declaram que o fim está determinado por Deus, com a declaração de Pedro: “Esperando e apressando a vinda do Dia de Deus, por causa do qual os céus, incendiados, serão desfeitos, e os elementos abrasados se derreterão”. – 2Pe 3:12 – Almeida Revista e Atualizada.
De acordo com esta declaração o ser humano, de modo especial os que aguardam este dia, têm condições de antecipá-lo, ou dependendo, retardá-lo.
A Almeida Revista e Corrigida traduz assim: “Aguardando, e apressando-vos para a vinda do dia de Deus”. A ênfase em apressar está colocada não em antecipar o dia determinado por Deus para o fim, mas em cada um de nós em apressar com diligência nosso preparo para este grande Dia. Nesse sentido, apressar comunica a ideia de aguardar o dia em permanente preparo e vigilância, porque não sabemos quando virá. O que harmoniza com as advertências de Jesus: “Assim, vocês também precisam estar preparados, porque o Filho do homem virá numa hora em que vocês menos esperam”. “Portanto, vigiem, porque vocês não sabem o dia nem a hora!” – Mt 24: 44 e 25:13 – Nova Versão Internacional.
Analisando as mensagens bíblicas como um todo, a evidência é clara de que Deus conduz todos os acontecimentos relacionados com o plano da salvação, em harmonia com os Seus eternos e insondáveis propósitos, e de modo algum alguém pode interferir para alterar o seu programa de ação.
Em verdade, torna-se muito delicado e difícil aceitar e ideia de que o ser humano, por melhor que seja, em face de sua situação pecaminosa e objeto do plano salvador de Deus, possa exercer tal influência sobre Deus levando-O a alterar os Seus desígnios determinados na eternidade.
No sentido de predizer acontecimentos futuros, a profecia é a história de nosso mundo escrita por Deus antes de acontecer. A história, é a profecia de Deus escrita pelos homens depois de acontecer. Há aqueles que tentam escrever a história antes de a profecia acontecer. Sempre termina em erro. Todas as profecias de Deus acontecem no tempo determinado. Do nascimento de Jesus é declarado: “Mas ao chegar a plenitude dos tempos, Deus enviou o seu Filho, nascido de mulher…”. – Gál. 4:4 – TEB.
Ao chegar o tempo determinado pela profecia, Jesus nasceu. Permitamos que Deus cuide de Seu cronograma profético, fazendo os acontecimentos ocorrer no momento determinado.
PENSE – “Haverá entre nós os que sempre procurarão controlar a obra de Deus, ditando até mesmo que movimentos deverão ser feitos quando o trabalho for levado avante, sob a direção do anjo que se ajunta ao terceiro anjo na mensagem a ser proclamada ao mundo. Deus usará, os meios e recursos pelos quais se verá que Ele está tomando as rédeas em Suas próprias mãos. Os obreiros ficarão surpreendidos em ver os meios simples que Ele usará para concluir e aperfeiçoar Sua obra de justiça”.
“Em vez de exaurir as faculdades da mente em especulações quanto aos tempos ou as estações que o Senhor estabeleceu pelo Seu próprio poder, e reteve dos homens, devemos submeter-nos ao controle do Espírito Santo, cumprir os deveres presentes, dar o pão da vida, não adulterado pelas opiniões humanas, às almas que estão perecendo pela verdade”. – Evangelismo, págs. 118 e 702.
DESAFIO – “Tu dizes: ’Eu determino o tempo em que julgarei com justiça’”. – Sl 75:2 – Nova Versão Internacional.